IBGE inicia mobilização nacional para o Censo com testes nas 27 unidades estaduais

 IBGE inicia mobilização nacional para o Censo com testes nas 27 unidades estaduais
Compartilhe esta notícia:
Digiqole ad

Depois do teste na Ilha de Paquetá, no Rio de Janeiro, o IBGE inicia nesta quinta-feira (4) testes para o Censo Demográfico 2022 em localidades nas 27 unidades estaduais. Serão avaliados os equipamentos, sistemas de coleta, questionários e a abordagem ao informante nos contextos locais. Esse grande teste nacional pretende mobilizar a sociedade para responder ao Censo, que visitará os mais de 70 milhões de domicílios brasileiros, em todo o país, a partir de junho do próximo ano.

A coleta dos testes será feita por cerca de 250 recenseadores tanto em bairros de capitais – como em Belo Horizonte (MG), Campo Grande (MS) e Rio Branco (AC) – quanto em localidades distantes dos grandes centros urbanos – como a comunidade ribeirinha de Novo Remanso, a 200 km de Manaus (AM), ou o município de Tigrinhos, a nove horas de carro de Florianópolis (SC). O destino turístico de Amaralina, em Salvador (BA), também está na lista.

Os testes incluem todas as etapas do Censo, desde o treinamento dos recenseadores, montagem do posto de coleta, pesquisa do entorno, modelo misto de coleta, mobilização dos moradores e comunicação.

O recenseamento de casa em casa na maioria das localidades vai até o final de novembro. Nos dias anteriores à coleta, foi feita a pesquisa urbanística do Entorno, que antecede ao Censo propriamente dito e coleta informações sobre a infraestrutura urbana, como iluminação pública, identificação de logradouro, pavimentação das vias, existência de calçadas, pontos de ônibus, ciclovias, acessibilidade urbana e arborização. Após o recenseamento, vem a fase de supervisão e, depois, a Pesquisa de Pós-Enumeração, que avalia a cobertura e a qualidade da coleta de dados do estudo censitário.

Para garantir a segurança dos recenseadores e dos moradores durante os testes, as equipes do IBGE vão trabalhar seguindo protocolos sanitários de segurança contra a Covid-19, com o uso de máscara, higienização das mãos e equipamentos com álcool em gel e distanciamento social.

Os testes utilizarão o novo modelo misto de coleta em que, além da entrevista presencial, os moradores poderão optar pelo preenchimento do questionário pela internet ou responder por telefone. A Central de Apoio à Coleta dará suporte aos informantes que optarem pelo preenchimento dos questionários pela internet nos casos de dúvidas ou alguma dificuldade de acesso ao questionário.

O presidente do IBGE, Eduardo Rio Neto, vai participar do início dos testes no município de Jardim Olinda (PR) e nos bairros Minas Brasil, em Belo Horizonte (MG), e Amaralina, em Salvador (BA).

“Depois do sucesso do teste em Paquetá, que só foi possível ser realizado graças ao avanço da vacinação, agora iniciamos outra etapa do Censo com testes em 27 localidades, uma em cada estado do país. Essas localidades foram estrategicamente selecionadas visando aperfeiçoar os processos de coleta, levando em conta as diferentes características regionais que são uma marca do nosso país”, disse Rios Neto.

Em São Paulo, o teste será feito no bairro Prosperidade, em São Caetano do Sul e haverá a presença do diretor de pesquisas do IBGE, Cimar Azeredo.

“Além de testar, nosso grande objetivo é mostrar à população os benefícios da realização do Censo. E ainda gerar mobilização e dar visibilidade à operação. A ideia é que o dia 4 de novembro seja uma espécie de ‘Dia Nacional do Censo’. Será nossa primeira incursão pelo território nacional com uma operação censitária desde o início da pandemia. Precisamos trabalhar juntos e coordenados, o IBGE, seus servidores, o país e os brasileiros”, afirmou Cimar Azeredo.

Testes em terras indígenas, territórios quilombolas e em favelas

No estado do Rio de Janeiro, além da Ilha de Paquetá, onde o primeiro teste foi realizado em setembro, o IBGE vai visitar os domicílios do município de Engenheiro Paulo de Frontin, onde a Pesquisa de Entorno, etapa anterior ao recenseamento, já havia sido realizada em março. A coleta, contudo, foi adiada por conta do avanço dos casos de Covid-19 na ocasião. Agora, em novembro, os questionários serão aplicados em todos os setores censitários da cidade.

Para testar características específicas de uma operação censitária que não são encontradas em Paulo de Frontin, será feita também coleta em aglomerados subnormais (favelas), e em domicílios improvisados (tais como prédios em construção e barracas) de Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense.

Também serão recenseadas a partir de 24 de novembro terras indígenas e territórios quilombolas de Angra dos Reis e Paraty, no Sul fluminense, a fim de testar protocolos sanitários de segurança específicos, normas de conduta e abordagem, procedimentos de coleta e perguntas que só serão feitas a essas populações.

“Em terras indígenas, por exemplo, só podemos entrar com um exame PCR negativo. Redobramos os cuidados com o uso de máscaras, álcool em gel e o distanciamento social, e evitamos entrar nas casas”, explica a responsável técnica do projeto do Censo para os Povos e Comunidades Tradicionais, Marta Antunes. “Vamos testar a abordagem, verificar a necessidade de guias das comunidades e aplicaremos também, além do questionário domiciliar, um questionário específico, em que são feitas perguntas sobre a realidade comunitária”.

Em todas as localidades dos testes para o Censo serão aplicados o questionário básico (26 perguntas) e o da amostra (77 perguntas) para verificação das perguntas, entre elas, a que trata da presença de pessoas com autismo no domicílio, tema incluído no questionário do Censo, conforme a Lei 13.861/2019.

Moderna infraestrutura tecnológica para coleta dos dados

Além dos questionários e da abordagem ao informante, os testes vão avaliar, em campo, toda a infraestrutura tecnológica preparada para a operação, como os Dispositivos Móveis de Coleta (DMC), semelhantes a um smartphone, na cor azul, e os sistemas de captação, transmissão e acompanhamento das informações coletadas.

Diferente do Censo 2010, os DMCs atuais têm chips com acesso à internet que permitem a transmissão das informações para o banco de dados do IBGE ao fim da coleta.  Podem também fazer e receber chamadas dos moradores para realização das entrevistas. Os recenseadores podem, ainda, utilizar o equipamento para se comunicar com seus supervisores por aplicativos de mensagens, o que agiliza o esclarecimento de dúvidas. O próximo Censo fará uso da tecnologia de armazenamento na nuvem para carregamento rápido de insumos, como mapas e coordenadas, nos DMCs.

Os data centers do Instituto, localizados no RJ e em SP, têm uma estrutura muito mais moderna e robusta para o recebimento de grandes quantidades de informações, com performance de alto desempenho, capaz de processar dados com maior velocidade, agilizando o manuseio das informações e a divulgação para a sociedade.

“Mais de 200 mil pessoas estarão envolvidas na coleta dos dados em todos os cantos do país, enviando uma grande quantidade de informações para o IBGE. Com essas tecnologias, vamos fazer o acompanhamento e controle da coleta nos setores censitários de forma online e em tempo real. Para isso, todos esses equipamentos, sistemas de coleta, de gestão de pessoal e de acompanhamento gerencial, e os questionários precisam ser testados em campo”, acrescenta o coordenador dos Serviços de Informática do IBGE, José Luiz Thomaselli Nogueira.

IBGEeduca mobiliza escolas para o Censo

Para a realização do teste nacional, as Unidades Estaduais do IBGE vêm mobilizando as comunidades locais. Nas escolas estão sendo distribuídos a estudantes e educadores materiais informativos do IBGEeduca, como cartazes e folders, semelhantes aqueles que serão enviados para as escolas no ano que vem. Informar os estudantes sobre a importância da operação censitária para o Brasil e sobre realização dos testes é uma forma de sensibilizar a comunidade para atender bem o recenseador e responder a pesquisa.

“Além disso, o espaço escolar também é um local de circulação de pais e responsáveis. Distribuímos cartazes nas escolas para a divulgação do Censo junto às famílias. Esses materiais trazem informações sobre o país, o município e sobre o próprio IBGE, fortalecendo assim a imagem da instituição como fonte oficial de informações sobre o país”, explica a gerente de Assuntos Educacionais do IBGE, Renata Corrêa.

Como verificar a identidade dos entrevistadores

Os recenseadores do IBGE trabalham uniformizados, com boné, colete e bolsa azuis com a logomarca do Instituto. No colete, há também o crachá de identificação, contendo a foto e os números de matrícula e identidade do entrevistador. Eles vão utilizar o DMC, semelhante a um smartphone, na cor azul, para coleta das informações. Os moradores podem verificar a identidade de todos os entrevistadores através do site respondendo.ibge.gov.br ou do telefone 0800 721 8181.

Como ocorre em todas as pesquisas do IBGE, as informações prestadas pelos moradores aos recenseadores são confidenciais e o sigilo é garantido.

Novo processo seletivo para o Censo

O IBGE também iniciou os trâmites para contratação de uma nova empresa que realizará o processo seletivo para o Censo em 2022. No último dia 18 de outubro, a seleção para recenseadores e agentes censitários, que estava suspensa desde abril, foi cancelada pelo Instituto. O contrato com o Cebraspe, que realizaria a seleção, não foi renovado e a taxa de inscrição será devolvida aos inscritos. Em breve, novas informações serão divulgadas, pela Coordenação de Comunicação, nos canais oficiais do Instituto, sobre a devolução da taxa e o início das inscrições do novo processo seletivo.

Fonte: IBGE

Digiqole ad

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: