Municípios da Regional de Montes Claros alcançam mais de 143 mil animais vacinados contra raiva

 Municípios da Regional de Montes Claros alcançam mais de 143 mil animais vacinados contra raiva
Compartilhe esta notícia:
Digiqole ad

Desde 1º de setembro até a segunda-feira 25/10, os 54 municípios que integram a área de atuação da Superintendência Regional de Saúde (SRS) de Montes Claros já vacinaram 143.716 cães e gatos contra a raiva. Ao todo, a Campanha de Vacinação Antirrábica já alcançou 129.039 cães e 14.716 gatos. A previsão é de que a campanha prossiga até o dia 31, deste mês, nas zonas urbanas e rurais.

Ildeni Meireles, referência técnica da Campanha Antirrábica na SRS de Montes Claros explica que, neste ano, a previsão é de que 233.922 animais sejam vacinados contra a raiva. Para isso, foram entregues aos municípios 246.780 doses de vacinas. Assim como nos anos anteriores, o quantitativo teve acréscimo de 5% em relação a 2020.

Os municípios que receberam a maior quantidade de imunizantes foram: Montes Claros (60 mil doses); Bocaiúva (12 mil 100); Janaúba (11.375); Francisco Sá (11 mil); Rio Pardo de Minas (10.300); Porteirinha (8.375); Jaíba (8.150); Taiobeiras (7.425); Salinas (6.400); Espinosa (7.300) e Coração de Jesus (6.675).

Até o momento, os municípios que apresentam mais de 90% de cobertura vacinal são: Berizal, Botumirim, Capitão Enéas, Catuti, Claro dos Poções, Engenheiro Navarro, Espinosa, Francisco Dumont, Fruta de Leite, Gameleiras, Glaucilândia, Indaiabira, Juramento, Lagoa dos Patos, Mato Verde, Monte Azul, Nova Porteirinha, Novorizonte, Olhos D´Água, Padre Carvalho, Pai Pedro, Porteirinha, Rubelita, Salinas, Santa Cruz de Salinas, Santo Antônio do Retiro, São João da Lagoa, Serranópolis de Minas e Vargem Grande do Rio Pardo.

Em Montes Claros, a Secretaria Municipal de Saúde informou que da estimativa inicial de  50.238 cães vacinados, já foram imunizados 17.682 animais. Por outro lado, dos 5.565 felinos a serem vacinados, a Campanha Antirrábica já alcançou 2.028 gatos.

Transmissão

A raiva é uma doença infecciosa viral aguda que acomete mamíferos, inclusive o homem. Se caracteriza como uma encefalite progressiva com letalidade de aproximadamente 100%. Trata-se de uma doença passível de eliminação no seu ciclo urbano pela vacinação de cães e gatos, além da existência de medidas eficientes de prevenção, como a imunização humana; a disponibilização de soro antirrábico humano e a realização de bloqueios de foco.

A doença é transmitida ao homem pela saliva de animais infectados, principalmente por meio da mordedura. A doença também pode ser transmitida pela arranhadura ou lambedura desses animais.

O período de incubação é variável entre as espécies, desde dias até anos, com uma média de 45 dias no ser humano, podendo ser mais curto em crianças. Nos cães e gatos a eliminação de vírus pela saliva ocorre de dois a cinco dias antes do aparecimento dos sinais clínicos e persiste durante toda a evolução da doença (período de transmissibilidade). A morte do animal acontece, em média, entre cinco e sete dias após a apresentação dos sintomas.

Sintomas

Após o período de incubação, surgem os sinais e sintomas clínicos inespecíficos da raiva, que duram em média de dois a dez dias. Nesse tempo, o paciente apresenta mal-estar geral; pequeno aumento de temperatura; anorexia; cefaleia; náuseas; dor de garganta; entorpecimento; irritabilidade; inquietude e sensação de angústia.

Podem ocorrer inchaço, aumento da sensibilidade ao tato ou à dor, frio, calor, formigamento, agulhadas, adormecimento ou pressão no trajeto de nervos periféricos, próximos ao local da mordedura e alterações de comportamento.

A infecção da raiva progride, surgindo manifestações mais graves e complicadas, como: ansiedade e hiperexcitabilidade crescentes; febre; delírios; espasmos musculares involuntários, generalizados ou convulsões.

Tratamento

A raiva é uma doença quase sempre fatal, para a qual a melhor medida de prevenção é a vacinação pré ou pós exposição ao vírus. Quando a profilaxia antirrábica não ocorre e a doença se instala, pode-se utilizar um protocolo de tratamento da raiva humana, baseado na indução de coma profundo, uso de antivirais e outros medicamentos específicos. Entretanto, é importante salientar que nem todos os pacientes de raiva, mesmo submetidos ao protocolo sobrevivem.

Fonte: ASCOM Secretaria de Estado de Saúde MG

Digiqole ad

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: