Nova ferramenta ajuda a identificar desnutrição em crianças

 Nova ferramenta ajuda a identificar desnutrição em crianças
Compartilhe esta notícia:
Digiqole ad

A curva de crescimento de crianças e adolescentes permite fazer o diagnóstico de problemas de saúde, como desnutrição e obesidade. É um padrão internacional, com base em dados antigos e, que em parte, usou como referência apenas a população norte-americana. Durante o doutorado, a pesquisadora Mariane Helen, da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, desenvolveu uma nova ferramenta, batizada de MULT, que leva em consideração números de altura-para-idade de dez países.

“Você localiza ali a criança, e conforme a idade e altura dela, você tem já tem a classificação – se ela está com déficit de altura ou se ela está com a altura normal. A altura é um marcador muito forte de desnutrição infantil. Quando a criança não está crescendo adequadamente, ela não atinge o potencial máximo de crescimento. Então, ela não chega próximo do que deveria ser um crescimento ideal e, portanto, ela está desnutrida. É indicador de desnutrição”. 

De acordo com a Mariane Helen, a nova curva de crescimento é muito prática e pode ser transformada em um aplicativo.

“Isso torna o serviço mais prático para os profissionais de saúde: de identificar o estado nutricional e, dependendo do caso, já encaminhar para fazer um acompanhamento melhor dessa criança, que está nesse déficit de altura”.

A pesquisadora destaca que o déficit de altura é um indicador importante de desnutrição. Essa nova curva de crescimento pode contribuir para o desenvolvimento de políticas públicas em segurança alimentar e nutricional.

“(…) contribui pelo fato de que, se você sabe quais são as crianças que tem déficit de altura, onde está a região com maior déficit de altura, você implanta programas para dar atenção nutricional para essas crianças. Para levar programas que vão complementar renda da família, a melhor distribuição de cestas básicas, programas que levem realmente alimentação para essa população, que está com esse déficit de altura, para que essa criança volte a crescer no tamanho normal. E aí faça a recuperação dentro do que a gente chama de canal de crescimento – que ela volte para o canal de crescimento adequado e possa se desenvolver de uma forma adequada, normal e saudável”.

O próximo passo é desenvolver uma curva com base no Índice de Massa Corporal de dez países para o diagnóstico de obesidade e sobrepeso. A pesquisa foi realizada em parceria com a Universidade do Porto, em Portugal. E foi premiada, em setembro, no II Congresso Internacional de Nutrição e Alimentação, da Associação Portuguesa de Nutrição.

Fonte: Radioagencia Nacional

Digiqole ad

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: